segunda-feira, 29 de agosto de 2011

Como falar bem



Derrames Cerebrais - Agora existe um 4º indicador : A língua




Derrame:
memorize as três primeiras letras...S.T.R.
Só leva um instante ler isto...
Disse um neurologista que se levarem
uma vítima de derrame dentro das
primeiras três horas, ele pode reverter
os efeitos do derrame -totalmente.
Ele disse que o segredo é reconhecer o
derrame, diagnosticá-lo e receber o
tratamento médico correspondente,
dentro das três horas seguintes, o
que é difícil.

RECONHECENDO UM DERRAME
Muitas vezes, os sintomas de um derrame
são difíceis de identificar. Infelizmente,
nossa falta de atenção,torna-se desastrosa.
A vítima do derrame pode sofrer severa
consequência cerebral quando as pessoas
que o presenciaram falham em reconhecer
os sintomas de um derrame.

Agora, os médicos dizem que uma
testemunha qualquer pode reconhecer
um derrame fazendo à vítima estas três
simples preguntas:


S
* (Smile) Peça-lhe que SORRIA.

T
* (Talk) Peça-lhe que FALE ou
APENAS DIGA UMA
FRASE SIMPLES. (com
coerência)
(ex : Hoje o dia está ensolarado)


R
* (Rise your arms) Peça-lhe que levante AMBOS OS BRAÇOS.

Se ele ou ela têm algum problema em
realizar QUALQUER destas tarefas, chame
a emergência imediatamente e
descreva-lhe os sintomas,ou vão rápido
à clínica ou hospital.


Novo Sinal de derrame -
Ponha a língua fora.


NOTA: Outro sinal de derrame é este:
Peça à pessoa que ponha a língua para fora..
Se a língua estiver torcida e sair por um
lado ou por outro, é também sinal de
derrame.


Um cardiologista disse que qualquer
pessoa que reenvie este e-mail a pelo menos
10 pessoas; pode apostar que salvará
pelo menos uma vida ...

Não o considere uma corrente, mas sim,
algo que todos devemos saber.



Kesia Priscila Pereira Sousa                        Secretária
   
  Centro Educacional Renascer
Semeando e Transformando Vidas!

terça-feira, 23 de agosto de 2011

Atualização e supervisão em Fonoaudiologia


FONOAUDIÓLOGA: Alessandra R. D.V. Cajueiro – CRFa 12227

*Fonoaudióloga clínica e educacional;
*Especialização em Distúrbios da Comunicação – Linguagem – PUC/SP;
*Especialista em linguagem pelo CFFa – Conselho Federal de Fonoaudiologia;

 OFERECE: Atualização em Fonoaudiologia e supervisão de casos clínicos, em grupos de 4 fonoaudiólogos, em dupla ou individual. Revisão de trabalhos de conclusão de curso e monografias na área de linguagem. Orientação para realização de relatórios de anamnese, avaliação e planejamento terapêutico.

PERÍODO: O fonoaudiólogo escolhe o conteúdo teórico de acordo com os temas propostos, determina o caso à ser supervisionado e define a freqüência dos encontros. Estes podem ser quinzenais, mensais ou esporádicos.

 TIPO DE SUPERVISÃO:
* presencial (em meu consultório)
* à distância (Nos comunicamos através do computador, utilizando o MSN Messenger ou o Skype. Importante e indispensável você possuir uma webcam e um microfone no seu computador para podermos conversar).

 SUGESTÕES DE CONTEÚDO TEÓRICO
Autismo
Afasia
Deficiência mental
Distúrbios de leitura e escrita
Gagueira
Paralisia cerebral
Retardo de linguagem
Síndrome de Down
Assessoria escolar
Distúrbios fonéticos e/ou fonológicos
Deficiência mental

Valores: 
R$ 80,00 – encontro individual, com 1 hora de duração.
R$ 50,00 – encontro em dupla, com 1 hora e 30 minutos de duração.
R$ 45,00 – encontro em grupos de 4 fonoaudiólogos, com 2 horas de duração.
R$ 5,00 – por folha revisada de TCC e monografias.

 Informações ou agendamento:
* (11) 2204-0026 ou 9759-7230 (falar c/ Alessandra Cajueiro)
* E-mail: alessandracajueiro@hotmaill.com (MSN)
* Skpye: cajueiro24

Preparação para a sessão de supervisão
·         Escreva todas as suas dúvidas;
·         Priorize as mesmas, montando uma escala de importância e urgência;
·         No momento da supervisão tenha ao seu alcance um atlas de anatomia da face e pescoço;
·         No computador que for usar no momento da supervisão, tenha as fotos do paciente (frente, sorriso frente, lateral direita e lateral esquerda);
·         Tenha, se possível, estas mesmas fotos impressas em papel A4. Caso haja algum imprevisto poderemos usar estas fotos;
·         Tente prever todo o material que irá necessitar, como por exemplo: papel, lápis, caneta, paquímetro, caneta hidrocor colorida, marca-texto, tesoura e cola, entre outros.

domingo, 21 de agosto de 2011

Afasia e terapia da fala


Diferença entre ronco e apnéia


Aprenda exercícios para ronco e apnéia


Exercícios de motricidade oral


Sugestões para falar com a criança que gagueja



http://fono-audiologia.blogspot.com/2011/03/sugestoes-para-falar-com-crianca-que.html

 


  • Não diga para a criança falar mais devagar ou relaxar.
  • Fale com a criança de forma calma, sem pressa, pausando freqüentemente. Antes de começar a falar, ouça a criança até o fim e espere alguns segundos após ela ter concluído aquilo que queria dizer. Isso desacelera o ritmo geral da conversa.
  • Ajude todos os alunos da classe a aprender que há momentos de falar e momentos de escutar. Todas as crianças, especialmente aquelas que gaguejam, acham mais fácil falar quando há poucas interrupções e quando elas têm a atenção dos ouvintes.
  • Use expressões faciais, contato visual e outras formas de linguagem corporal para comunicar à criança que você está prestando atenção ao conteúdo da mensagem e não somente à forma como ela está falando.
  • Não subestime a criança. Espere a mesma qualidade e quantidade de trabalhos por parte de crianças que gaguejam.
  • Procure reduzir críticas, padrões rápidos de fala e interrupções.
  • Não complete as palavras para a criança, nem fale por ela.
  • Converse individualmente com o aluno que gagueja sobre as modificações necessárias à sua adaptação em sala de aula. Respeite suas necessidades, sem subestimá-lo.
  • Não torne a gagueira algo vergonhoso. Fale sobre gagueira como se estivesse falando sobre qualquer outro assunto.

O que acontece na boca ao longo e depois da mastigação?


sábado, 20 de agosto de 2011

Avaliação freio lingual


Artigo do mês: A Fonoaudiologia também trata do bruxismo



 
Fg. Alessandra R. D.V. Cajueiro
 CRFa 12227


Esta alteração, de nome tão estranho, também conhecida como “ranger de dentes”, atualmente ocorre numa grande parcela da população. Responsável por originar grande parte dos problemas de desgastes dentários, o bruxismo pode trazer conseqüências muito desagradáveis para a pessoa. Entre elas, podemos citar as dores de cabeça, travamento da mandíbula, dores na coluna e até no ouvido, porque a dor pode corresponder até na região das orelhas.
Geralmente este problema é causado por alterações emocionais, stress, o que provoca a tensão em toda face devido ao ranger dos dentes. No entanto, o modo como a pessoa mastiga, fala, ou até sorri, também pode estar originando ou alterando ainda mais as consequências do bruxismo. Por isso, a avaliação com o fonoaudiólogo também é importante e necessária.
Na maioria dos casos o tratamento deve ser multidisciplinar e inclui o dentista, psicólogo, fonoaudiólogo e em casos mais severos, até o cirurgião buco-maxilo. O bruxismo é mais uma das alterações em que o trabalho conjunto entre os profissionais é imprenscindível.
Com estas observações, mais uma vez, pude demonstrar ao leitor do Saúde & Estética News a importância da relação entre a Odontologia e a Fonoaudiologia. Por isso, logo no início dos sintomas, procure a orientação do profissional habilitado para tratar, porque prevenir outros tipos de desconfortos que o bruxismo pode ocasionar ainda é a melhor maneira de tratar esta alteração.